>Corsan detalha projeto de PPP com prefeitos

Corsan detalha projeto de PPP com prefeitos

Esgotamento Sanitário

A Corsan promoveu na última sexta-feira, 15, um café da manhã com prefeitos dos municípios da Região Metropolitana incluídos na proposta de parceria público-privada (PPP), que visa a universalização do saneamento nesta região. O encontro, ocorrido em Porto Alegre, foi mais uma oportunidade de os chefes de Executivo e representantes das administrações municipais conhecerem melhor a proposta, estabelecendo um diálogo mais intenso sobre o tema.

O presidente da Corsan, Flávio Ferreira Presser, apresentou, na ocasião, os motivos que embasam o lançamento da PPP. Segundo explicou, o Rio Grande do Sul tem uma cobertura de esgotamento sanitário de apenas 14%, sendo que a média nacional é de 49%. A Corsan está trabalhando para aumentar a prestação do serviço nos municípios em que atua. Somente para atingir a universalização na Região Metropolitana (onde a empresa atende 29 dos 34 municípios integrantes), seriam necessários R$ 3 bilhões. “A alternativa mais adequada encontrada para conseguirmos fazer a ampliação dos sistemas de esgotamento sanitário foi a PPP”, declarou.

O dirigente explicou que a PPP começa com o alinhamento de entes públicos - Governo do Estado/Corsan e as prefeituras -, e que somente depois é que se escolherá o parceiro privado, por meio de licitação.

Conforme o modelo de PPP apresentado, o parceiro privado deve investir R$ 1,85 bilhão para atingir 87,3% da universalização em até 11 anos, passando depois a operar o serviço de esgotamento sanitário sob supervisão da Corsan. Ao todo, o contrato de concessão pela PPP tem duração de 35 anos. Para os nove municípios contemplados no projeto de PPP (Alvorada, Cachoeirinha, Canoas, Eldorado do Sul, Esteio, Gravataí, Guaíba, Sapucaia do Sul e Viamão), serão feitos ajustes nos compromissos já pactuados, de forma coletiva e conforme as particularidades de cada um.