>Passagem de Belchior por Guaíba no cinema

Passagem de Belchior por Guaíba no cinema

Nas telas

A amizade entre o cantor Belchior e o advogado Jorge Cabral, contada no livro "Belchior, a história que a biografia não vai contar”, será transformado em filme. A produtora Guarujá Produções e Jorge Cabral assinaram contrato no final do ano passado e o projeto vem sendo estruturado. "Este será a maior produção da produtora", destacou o produtor Carlos Peralta, da Guarujá Produções, que está finalizando neste ano, o filme "Plauto, Um Sopro Musical", baseado na vida do músico gaúcho Plauto Cruz.
Peralta disse que o longa de ficção poderá ter cenas gravadas no sítio da Serrinha, onde o cantor viveu em 2013. "A tendência é de que façamos algumas cenas no Município de Guaíba", frisou. Ele adiantou que filme sobre Belchior terá a direção do cineasta Claudio Antonio Pereira, que dirigiu entre outros filmes, o curta "Cartas na Ilha", que resgata a história da Ilha Pedras Brancas, entre Guaíba e Porto Alegre.
O advogado está entusiasmado com o projeto do filme que segundo ele, "irá levar o nome de Guaíba para o mundo".

A relação do advogado com o cantor

Foi na localidade da Serrinha, entre os municípios de Guaíba e Barra do Ribeiro, um dos pontos mais altos da região, que o cantor e filósofo Belchior viveu quase meio ano no sítio do advogado Jorge Cabral. A amizade entre os dois foi registrada no livro “Belchior, a história que a biografia não vai contar” que foi lançado no ano passado em Guaíba, dentro do projeto Chimarreando com Ideias, no Instituto Gomes Jardim.
O advogado Jorge Cabral hospedou o cantor Belchior e a esposa depois de se conheceram no verão de 2013, no balneário de Atlântida Sul. O advogado ofereceu o sítio da família para passar alguns dias em Guaíba, mas acabou ficando cinco meses, mas poderia ter permanecido mais tempo, se dependesse dele. Chegando ao sítio, no final de março daquele ano, Belchior encontrou a paz que procurava, um lugar calmo e no meio da natureza. Ele não mostrava interesse em sair da Serrinha, “achava o local ideal para se viver, na natureza e no isolamento”, disse o advogado.
O cantor confidenciou ao advogado que a imagem da Serrinha era uma das mais belas que ele tinha visto e que gostaria de poder comprar um pedaço de terra lá e serem vizinhos. O músico morreu três anos depois, ou seja, no dia 29 de abril de 2016, em Santa Cruz do Sul/RS, aos 70 anos de idade.
O livro “Belchior, a história que a biografia não vai contar”. pode ser encontrado em Guaíba, na Livraria Entrelinhas, na rua Dr Lauro Azambuja, 155, Centro, Fone 34806016

 

Foto:Sonia Garcez/Divulgação/ NF 8 de fev 2019